Author: Betânia Uchôa e seu universo in versos
•15:09:00



Vendo-a Sorrir

(A minha filha)

Filha, quando sorris, iluminas a casa
Dum celeste esplendor.
A alegria é na infância o que na ave é asa
E perfume na flor.

Ó doirada alegria, ó virgindade santa
Do sorriso infantil!
Quando o teu lábio ri, filha, a minha alma canta
Todo o poema de Abril.

Ao ver esse sorriso, ó filha, se concentro
Em ti o meu olhar,
Engolfa-se-me o céu azul pela alma dentro
Com pombas a voar.

Sou o Sol que agoniza, e tu, meu anjo loiro,
És o Sol que se eleva.
Inunda-me de luz, sorri, polvilha de oiro
O meu manto de treva!

Guerra Junqueiro, in 'Poesias Dispersas'
This entry was posted on 15:09:00 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

4 comentários:

On 28 de março de 2010 10:29 , Lenara Uchôa disse...

Linda poesia que com palavras belas faz sonhar.

 
On 2 de abril de 2010 07:10 , Roberto Uchoa disse...

Bela inciativa, pois, quando se fala de Guerra Juqueiro, não há superlativo na lingua portuguesa, para expressar seu talento...

 
On 2 de abril de 2010 07:10 , Roberto Uchoa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
 
On 29 de abril de 2010 03:13 , Sérgio, Beija-flor-poeta disse...

voce é o genio da poesia,...
amei